Julho 2015

Flor consoante

As flores do pão de canela em todas as mesas se falam homens antigos e mulheres de histórias que não viveram memórias só gestos de agora é verão na cara deles há delas memória e um precipício em tempo e um muro quente que se derrete sem pressa