Palimpsesto

Amor é fogo que arde até se ver;
É ferida que dói e que se sente;
É descontentamento tão contente;
É a dor que se destina a doer;

É nunca perder mais do que o querer;
E solitário errar por entre a gente;
É sempre contentar-se de contente;
Descuidar que se perde em se saber;

É querer ser livre por vontade;
É escolher a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos salva liberdade.

Mas como matar pode este fervor
Nos corações humanos a verdade,
Se tão devoto a ti é este Amor?

Palimpsesto sobre poema imortal de Luís de Camões

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.