Poesia

Dança

Maio 21, 2017

Etiquetas:,

Acordei agora do meu sonho princesa bailarina.

Sinto a falta do contorno quente do teu corpo no meu. Tenho gravada a textura da tua pele na memória da minha. Na tua ausência tenho tocado essa gravação vezes sem conta, como os adolescentes do nosso tempo, a fazer rewinds infinitos em cassetes de fita magnética onde guardávamos os nossos heróis e até as conversas de família.

Somos do tempo em que se guardavam sons como se não houvesse mais nada, como se a impressão da vida fosse apenas sonora.

Talvez por isso não envelhecemos tanto e, também por isso, encontramos  agora esta renovada disposição para amar.

Tenho de dizer-te: enches-me de poesia.

Quero ser a palavra no teu movimento, o som novo na tua forma, a companhia perfeita do teu bailado perpétuo.

Se nunca te vi dançar, foi porque ainda não tinha chegado o tempo. Se não te aplaudi em todos os palcos, foi porque a tua obra prima ainda não chegou.

Porque hás-de ser a prima ballerina de todo o tempo que me falta e a última mulher que o meu coração amou.

As tuas palavras emocionaram -me tanto que por momentos encostei novamente a cabeça na almofada e fechei os olhos. Num movimento semelhante a encostar -me a ti –  a cabeça no teu peito, o meu braço numa diagonal em que a minha mão acaricia o teu rosto  – pude sentir-te perto de mim.

9
9 likes
Related Posts

Poesia

Despertar

Abril 20, 2016 0 0

Poesia

Azul anil 

Março 14, 2016 0 0

Your email address will not be published.