Encontra-te

Como um furacão sem rumo

és revolta        meio fumo
esparsa voz
lassa

Mas és também  luz
raio que não passa
risco que não anda
prenda que não há

Queres tudo e nada
porque nada é tanto
e o resto pouco

Hás-de pedir-me que te seduza
hás-de ajoelhar-te musa

E eu hei-de contemplar-te
do meu cimo arte
a dissimular frescuras
brancuras

E a tua imagem no braço
arde como cansaço
Queima
teima
e volta e vem
e danças em seu torno
no caminho sem contorno
onde te perdes

E eu sou como tu
e por isso te quero
e por isso te foges

5

Deixar uma resposta