Ficção

Perto de Deus

Março 30, 2017

Etiquetas:,

Eram oito e meia da manhã quando me sentei num dos grandes bancos corridos da nave maior na igreja de Santa Cruz em Coimbra. Estava frio.

A luz da manhã nao conseguia entrar. Tudo era majestático e solene.  Duas lâmpadas antigas de halogénio projectavam uma luz amarela, diáfana e improvável, sobre as lajes centenárias do corredor do templo, as madeiras austeras e a fé encanecida de quem parecia rezar.

Apenas os azulejos, que ladeiam as paredes laterais até à altura das arcadas das quatro capelas laterais, contrariavam aquele ambiente, solene e soturno, onde os crentes se escondiam da primavera.  Estes mosaicos de século,  embora baços e muito antigos, são a única claridade permitida.

Acompanham-me agora no lugar do culto, sentadas como eu, umas 40 pessoas. Estão todas vestidas de escuro. Envergam-no como um uniforme da fé,  como um camuflado perfeito para quem já só encontra desconforto na claridade dos dias que lhes precipitam o tempo na centrifugadora do solstício.

Aqui dentro o relógio volteia mais rácido que um disco de vitrola, mas o tempo está suspenso como uma sentença sem lei.

As almas levitam. Não se pode estar mais perto de Deus

4
4 likes

Your email address will not be published.