Salman Rushdie e Fernando Pessoa

Com Rushdie em Lisboa. De Pessoa a Saramago.

Ele queria ver Lisboa. E nós fomos. Saímos de Óbidos manhã cedinho e viemos, A8 abaixo, a descobrir Quixotes nos moinhos elétricos que bordejam a auto estrada do Oeste até que, dobrada a calçada de Carriche, nos inundou a luz do Tejo.

Descemos para o rio a contar os reflexos da luz bruta e límpida, com que o Tejo enche Lisboa. Andámos desde o miradouro de São Pedro de Alcântara até à casa dos Bicos. Íamos visitar a Pilar del Rio, que queria muito que o Salman Rushdie conhecesse a Fundação Saramago.

Estacionámos por baixo do Camões, abandonámos o carro e perdemo-nos nas ruas. Não é todos os dias que se pode passear, de Camões a Saramago, contando as histórias de Lisboa a um dos maiores escritores da atualidade.

 – Parece o Salman Rushdie? disse o taxista. – E a senhora é a viúva do Zé Saramago, retorqui. –  Pois, pois – disse o homem troçando – e eu sou o Fernando Pessoa!

Salman Rushdie gostou de ser fotografado ao pé dos imortais escritores portugueses. Sentou-se na esplanada da Brazileira do Chiado e posou sentado, junto ao Pessoa de Lagoa Henriques. Descemos a Garret, curvámos à esquerda na Rua do Carmo e por baixo do elevador de Santa Justa entrámos da Lisboa de Pombal. Luz e mais luz, numa manha ensolarada. Pausa para café no Martinho da Arcada e mais uma memória inesquecível. Rushdie de pés cruzados, na forma de Almada, na mesa que o imortal café da Praça do Comércio tem reservada para Fernando Pessoa até à eternidade. Houve quem se perguntasse se pelo Cais das Colunas tinha chegado outro heterónimo.

Pela rua da Alfândega chegamos à Casa dos Bicos. A Pilar levou-nos por uma viagem onde Rushdie encontrava de novo Saramago. Em frente à medalha Nobel, que o escritor português ganhou em 1998, trocaram votos de futuros. A vontade de um no passado de outro.

Saímos apressados pela porta das traseiras.

–  Taxi! A plataforma da Uber estava em baixo e regressámos ao Camões dentro de um carro negro e verde onde o motorista reconheceu o escritor.

– Parece o Salman Rushdie? disse o taxista. – E a senhora é a viúva do Zé Saramago, retorqui.

–  Pois, pois – disse o homem troçando – e eu sou o Fernando Pessoa!

E se calhar era. Há coisas que nunca se sabem!

José Manuel Diogo e Salman Rushdie
Com Salman Rushdie no Martinho da Arcada na cadeira de Pessoa

Este slideshow necessita de JavaScript.

Texto publicado originalmente na revista Notícias Magazine dia 16 de outubro 2016

Deixar uma resposta