Amizade

Saudade

Saudade

Voltei a vestir-me de branco. Tinha encontrado o João na semana anterior. Andava, como sempre à beira de memórias inacabadas. Ele e elas, ali os dois, mesmo à mão de semear. – Olha que as mãos que não sabem colher têm sempre preconceitos com o passado. Não é? –  disseste com um sorriso de soslaio meio marfim, meio sobrancelha, íris ao Continue reading Saudade