Orfanário

Não era senão sombra o que esmagava. Não eras tu, não era o sol, não era nada. Era um recado, uma mensagem, um telegrama gatafunhado, aerogramas difusos, mensagens de outra dimensão. Não eram imperceptíveis, nem impossíveis. Apenas indecifráveis . Tombei o olhar para os meus pés luminosos ao fresco quente do meio de agosto, batidos, […]

Muralhas 

Atrás da voz há um mapa À frente dela atenção A muralha é uma canção feita de luz e saudade No coração de Lisboa o tempo sabe passar Passa no rio de barca apontado ao alto mar Quando recordares a vida nao há o que não viveste so há as coisas que viste e todas […]