Metamorgato

Tu. Nem uma palavra nem um suspiro nem um som. Nada. É como se tivesses desaparecido no céu depois da taça de gelatina. Imaginas-te sem saber bem porquê, de saia comprida, como naquelas fotos sépia de sufragista, a andar, vigorosa, cinzenta escura, por cima da calçada, passos largos; sou uma cientista qualitativa, olha que não […]