Lolita

Hás-de sempre ser longe Ubasti distante sem vértice Esquadro vago raso ângulo Hás-de ser Ailuro que chegue e mate todas as memórias nas esquinas de Mykonos Hás-de ser minha e prematura E eu o  guizo que acompanha essa prisão que não  toleras Hás de ser só gato  e eu só Anubis e  sem saberes o som da liberdade

Terramoto

Só sei fazer isto agora. Chovem angústias da tua ausência, e eu não consigo convocar-te as más memórias. Só recordo o sol e o meio dia, o paraíso no teu olhar, as borboletas. Procuro em ti o que não há? Rebenta o som. Estremecem as entranhas e a alma cai. Esgravato, cavo, sangro. Sofregamente afundo […]

Reencontro

Voltaram a minha casa com o mesmo sorriso com que tinham partido um dia, sem saber que haveriam  de passar quase 10 anos até hoje. Talvez por isso o tempo não se fez sentir. O Artur e a Teresa chegaram como se nunca tivessem saído mas estamos de acordo que passaram já muitos anos.  Parece […]

Tempo

Manobras o ponteiro dos minutos como se fosses uma fera enjaulada. Como se nada houvesse que não seja o vazio eterno dessa estrada. Não me levanto nunca  sem pedir que a tua alma acabe, que o teu leito resvale, que o teu cigarro se apague; e cinza e sono e deus, se ponham de acordo […]

Tempo

Devolvo à minha memória o teu olhar Foi no ano em que éramos jovens Nós e o nosso amor enfeitado de madressilvas borboletas e mais animais mitológicos Veio o tempo que me empurra e eu empurro-te A lua lá fora já não brilha em estrofes não canta elegias e sonetos nem encanta novidades Olho à […]