Poesia

As cabras 

Dezembro 1, 2015

Etiquetas:

Por toda a parte onde a terra for pobre e alta, elas aí estão, as cabras – negras, muito femininas nos seus saltos miúdos, de pedra em pedra. Gosto destas desavergonhadas desde pequeno. Tive uma que me deu meu avô, e ele próprio me ensinou a servir-me, quando tivesse fome, daqueles odres fartos, mornos, onde as mãos se demoravam vagarosas antes de a boca se aproximar para que o leite se não perdesse pelo rosto, pelo pescoço pelo peito até, o que às vezes acontecia, quem sabe se de propósito, o pensamento na vulvazinha cheirosa. Chamava-se Maltesa, foi o meu cavalo, e não sei se a minha primeira mulher.

Eugénio de Andrade

0
0 likes
Related Posts

Poesia

Tempo

Junho 10, 2014 0 0

Poesia

mar liber

Dezembro 31, 2016 5 0

Poesia

Despertar

Abril 20, 2016 0 0